S.O.S. DA CRIANÇADA - Dia 30/out

DILEXIA INFANTIL

A dislexia é uma das mais comuns deficiências de aprendizado. Segundo pesquisas realizadas, 20% de todas as crianças sofrem de dislexia – o que causa com que elas tenham grande dificuldade ao aprender, a ler, escrever e soletrar. Pessoas disléxicas – e que nunca se trataram – lêem com dificuldade, pois é difícil para elas assimilarem palavras. Disléxicos também geralmente soletram muito mal. Isto não quer dizer que crianças disléxicas são menos inteligentes; aliás, muitas delas apresentam um grau de inteligência normal ou até superior ao da maioria da população. A dislexia persiste apesar da boa escolaridade. É necessário que pais, professores e educadores estejam cientes de que um alto número de crianças sofre de dislexia. Caso contrário, eles confundirão dislexia com preguiça ou má disciplina. É normal que crianças disléxicas expressem sua frustração por meio de mal comportamento dentro e fora da sala de aula. Portanto, pais e educadores devem saber identificar os sinais que indicam que uma criança é disléxica - e não preguiçosa pouco inteligente ou mal comportada.

A dislexia é herdada e, portanto, uma criança disléxica tem algum pai, avô, tio ou primo que também é disléxico.
Será que seu filho é disléxico?
Entre 3 a 6 anos Na pré-escola

1. Ele persiste em falar como um bebê?

2. Frequentemente pronuncia palavras de forma errada?

3. Não consegue reconhecer as letras que soletram seu nome?

4. Tem dificuldade em lembrar o nome de letras, números e dias da semana?

5. Leva muito tempo para aprender novas palavras?

6. Tem dificuldade em aprender rimas infantis?

Entre 6 ou 7 anos Primeira-série

1. Tem dificuldade em dividir palavras em sílabas?

2. Não consegue ler palavras simples e monossilábicas, tais como “rei” ou “bom”?

3. Comete erros de leitura que demonstram uma dificuldade em relacionar letras a seus respectivos sons?

4. Tem dificuldade em reconhecer fonemas?

5. Reclama que ler é muito difícil?

6. Frequentemente comete erros quando escreve e soletra palavras?

7. Memoriza textos sem compreendê-los?

Entre 7 e 12 anos.

1. Comete erros ao pronunciar palavras longas ou complicadas?

2. Confunde palavras de sonoridade semelhante, como “tomate” e “tapete”, “loção” e “canção”?

3. Utiliza excessivamente palavras vagas como “coisa”?

4. Tem dificuldade para memorizar datas, nomes ou números de telefone?

5. Pula partes de palavras quando estas têm muitas sílabas?

6. Costuma substituir palavras difíceis por outras mais simples quando lê em voz alta; por exemplo, lê “carro” invés de “automóvel”?

7. Comete muitos erros de ortografia?

8. Escreve de forma confusa?

9. Não consegue terminar as provas de sala-de-aula?

10. Sente muito medo de ler em voz alta?

A partir dos 12 anos

1. Comete erros na pronúncia de palavras longas ou complicadas?

2. Seu nível de leitura está abaixo de seus colegas de sala-de-aula?

3. Inverte a ordem das letras – “bolo” por “lobo”, “lago” por “logo”?

4. Tem dificuldades em soletrar palavras? Soletra a mesma palavra de formas diferentes numa mesma página?

5. Lê muito devagar?

6. Evita ler e escrever ?

7. Tem dificuldade em resolver problemas de matemática que requeiram leitura?

8. Tem muita dificuldade em aprender uma língua estrangeira?

É importante enfatizar que a dislexia não é curada sem um tratamento apropriado. Não se trata de um problema que é superado com o tempo; a dislexia não pode passar despercebida. Pais e professores devem se esforçar para identificar a possibilidade de seus filhos ou alunos sofrerem de dislexia. Crianças disléxicas que foram tratadas desde cedo superam o problema e passam a se assemelhar àquelas que nunca tiveram qualquer dificuldade de aprendizado.
Apesar das salas de aula estar lotadas e apesar da falta de recursos para pesquisas, a dislexia precisa ser combatida. Muitos casos de dislexia passam despercebidos em nossas escolas. Muitas vezes, crianças inteligentíssimas, mas que sofrem de dislexia aparenta ser péssimos alunos; muitas dessas crianças se envergonham de suas dificuldades acadêmicas, abandonam a escola e se isolam de amigos e familiares. Muitos pais, por falta de conhecimento, se envergonham de ter um filho disléxico e evitam tratar do problema. Isso é lamentável, pois crianças disléxicas que recebem um tratamento apropriado podem não apenas superar essa dificuldade, mas até utilizá-la como benefício para se sobressair pessoal e profissionalmente.

0 comentários:

Postar um comentário

Contato

Participe vc também, deixando seu recado, cartinha ou nos ligando:

tempodesercriancafm@yahoo.com.br
tempodesercrianca@hotmail.com

Tel.: 84 3521-4020